Faixa exclusiva de ônibus

O Distrito Federal precisa melhorar a mobilidade urbana, a qualidade de vida da população precisa de horas do dia para acontecer. Os passageiros do transporte público apenas dormem em casa, mas ficam horas no ônibus.

A Faixa exclusiva, uma possibilidade de otimização de tempo, apenas é uma reserva de uma das faixas de uma grande avenida. Geralmente circulam nela: ônibus coletivo, ambulância, polícia, Detran e alguns veículos específicos.

Imagem ilustrativa de faixa exclusiva, com carros engarrafando a via pública e os ônibus circulando em faixa livre.
Imagem ilustrativa de faixa exclusiva, com carros engarrafando a via pública e os ônibus circulando em faixa livre.

Um fato positivo para a faixa exclusiva é que não precisa construir uma nova via, aumenta a quantidade de pessoas que passam circulando e liberando espaço para outros veículos. Os carros de passeio transportam normalmente até 4 pessoas, enquanto os ônibus transportam até 58, sendo a comparação feita com pessoas sentadas em ônibus.

Nas grandes cidades brasileiras, considerando o fluxo de carros, motos, transporte público e carros oficiais do governo, em horários de pico a cidade fica parada. O tempo gasto para deslocar nas principais vias, chega a ficar três vezes maior do que outros momentos do dia. Recursos de engenharia são usados para desafogar o trânsito, mas com a quantidade de novos veículos a cada ano, o desafio fica no limiar do possível de resolver a curto e médio prazo.

Uma das saídas é a faixa exclusiva já usada no DF e a outra é o corredor Bus Rapid Transit (BRT). Mas esses dois recursos são sobre construção ou reserva de faixa de avenidas. Na prática coloca mais espaço para carros circularem, o que pode contribuir para a inércia imóvel e o ciclo pode ser reiniciado.